18 de abril de 2017

O Despertar


Há uma teoria na psicanálise de que a pessoa nasce apenas quando ela desperta sua consciência. Enquanto isso não ocorre, ela vive por aí como autômato e pode "morrer" sem ter "nascido". À primeira vista parece absurdo, mas se fomos pensar em uma sociedade que se diz tão avançada, ou mesmo em um animal denominado racional, é frustrante perceber essa involução. Mesmo se não houvesse essa tecnologia atual, mas houvesse evolução, talvez a primeira tornasse menos necessária ou frenética.

De acordo com Hawkins, a consciência humana varia cerca de 0,4 pontos durante a vida, seja evoluindo ou involuindo (ou mesmo evoluindo negativamente). Nos níveis abaixo da Coragem, a instabilidade é maior, ou seja, a pessoa oscila da Vergonha ao Orgulho constantemente, pouco aprendendo efetivamente. Ou seja, existe uma massa de zumbis andando por aí que não possuem consciência de si. Talvez essa moda de "apocalipses zumbis" seja apenas para representar o sono no qual a humanidade se encontra.

Sair do sistema, algo que está virando moda hoje em dia, é algo muito mais interno do que externo. Libertar-se das amarras da própria ignorância é o que efetivamente "desliga" a pessoa do sistema. Olhar para dentro, conhecer a si mesmo, aceitar-se e se perdoar: as pessoas fogem disso, consciente e inconscientemente. A meditação, um caminho em moda para o autoconhecimento e evolução, tornou-se a mera experiência do surpreendente, sendo que de surpreendente ela nada possui.

Nessa onda, aparecem guias e gurus, pessoas que literalmente comercializam reprogramações. São formas de continuar iludindo as pessoas, sob a sensação de que estão livres da opressão do sistema. Talvez o sistema "externo" seria uma projeção de um sistema "interno", criado e manipulado pela própria pessoa. A realidade seria então uma ilusão criada pela própria pessoa, e essa obsessão altruísta uma forma de manter todo mundo dormindo, longe da verdadeira compaixão entre os seres.

Não se pode esquecer: só porque a pessoa está dormindo, não significa que ela esteja isenta de responsabilidade. A ignorância não é uma bênção como alguns dizem, poderia até ser chamada de "maldição". Por isso tantos problemas, tanta coisa ruim. Como uma pessoa que não consegue estender a mão para si mesma pode estender a mão ao outro?

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Ao clicar em enviar, aparecerá uma caixinha de confirmação.