31 de março de 2015

Fale bem de você mesmo


Gold Christmas Tree Topper, por Petr Kratochvil

Confesso que eu me autodeprecio muito - acho que até exageradamente. Eu também estou em processo de aprendizado, e aqui eu compartilho um pouco do que eu estou aprendendo ou do que eu aprendi (ou do que eu custo a entender, hehe). É uma questão de costume: se falamos bem de nós mesmos, logo somos tachados de metidos, arrogantes e egocêntricos. Falar mal de si é algo comum, até porque todo mundo tem problema; só que isso nos corrói por dentro, até a gente não conseguir mais nada por se achar incapaz.

É um problema aqui, outro ali, uma frustração acolá, e logo se apodera de nós um sentimento de incapacidade profundo. Simplesmente nos frustramos, não conseguimos nada. Tudo isso porque dentro de nós algo nos sabota. Repito: algo dentro de nós - não são as pessoas que nos impedem de conseguir as coisas, e sim nós mesmos. Se a gente acredita que não consegue, tudo a nossa volta irá conspirar para que a gente não consiga mesmo! Para sair dessa, o caminho é simples: acredite que consegue, e aceite todas as suas vitórias, valorize-as.

Para reconquistar nossa autoconfiança, precisamos muito aceitar que somos capazes, e que fazemos coisas incríveis. E aceitar que fizemos algo realmente bom. Não espere louros, palmas e elogios dos outros - aplauda a si mesmo. Isso não tem a ver com o ego ou com exibicionismo, mas com autovalorização. Se receber um elogio, aceite-o como um presente, mas não se acostume: você pode correr o risco de ficar dependente da aprovação dos outros, o que joga a autoconfiança pra baixo.

Seja bom pra você mesmo. Dê o melhor de si pra si (e pelos outros também). Fale bem de si, converse sobre coisas boas, exalte suas qualidades quando tiver que falar delas, sem medo ou receio. Isso não é ostentação ou egocentrismo - é amor próprio. Aprender a elogiar a si (e se aceitar como é) permite que você se elogie e aceite as pessoas como elas são - sem julgamentos ou preconceitos. Valorizar a si é valorizar o outro, porque você se torna ciente de seus defeitos e limitações - e se esforça para dar sempre o melhor.

27 de março de 2015

Gokai - Trabalhe Honestamente


Honeycomb, por Petr Kratochvil

Eu já queria escrever sobre trabalho, e essa é a melhor ocasião para tal. Não quero falar sobre produtividade, resultados, promoções - afinal, todo mundo fala disso. E como tem sido a rotina no trabalho? Está satisfeito? O que falta? O que sobra? Qual é a sensação de se arrumar para ir trabalhar e qual é a sensação depois do expediente? Já parou para pensar sobre isso?

Vamos parar de pensar em salário e pensar se o nosso trabalho realmente nos satisfaz. Trabalhar honestamente não é só fazer um serviço ético, mas ser honesto consigo enquanto trabalha - você está satisfeito com o que faz? Você realmente gosta do que faz? O que você gosta (e o que você não gosta) do seu emprego? Só existe ética no trabalho quando há satisfação com o mesmo. Se você faz as coisas de má vontade, porque não gosta do que faz ou mesmo porque está insatisfeito, você sempre vai procurar uma brecha - e acabar se machucando seriamente nela.

Se não está satisfeito com o seu trabalho, mude essa situação imediatamente. Às vezes, só uma mudança de setor ou de unidade já basta para o stress diminuir. Claro que há situações mais complicadas, que pedem uma mudança radical de emprego, de cidade, de vida. Se isso for o melhor pra você, por mais complicado que seja, vá atrás. O efeito aparece a longo prazo, tenha paciência que tudo ficará bem.

Somente por hoje, trabalhe honestamente. Seja grato por ter um emprego, e não se preocupe com sua rotina. Não se zangue com o que acontece, deixe passar.

24 de março de 2015

Gokai - Seja Grato


Pebbles on the Beach, de Petr Kratochvil

Já falei sobre gratidão no blog, e por incrível que pareça, continuamos em uma grave crise hídrica (apesar de ter chovido bastante esses dias). Mesmo que seja uma série sobre os Princípios do Reiki, deve-se ter em mente que isso é algo para ser praticado durante a vida, não para ficar restrito às aplicações. Até tinha cogitado a hipótese de apenas linkar o outro post, mas sempre há algo mais a se dizer.

Gratidão deveria ser um sentimento constante, afinal somos agraciados com diversas dádivas o tempo todo. Aqueles pequenos acasos da vida que fazem a diferença, tanto positivamente quanto negativamente - estamos em processo de aprendizado, revezes são fundamentais. Olhe a sua volta e agradeça por cada coisa boa, sem fazer nenhum pedido de melhora ou solução. Apenas agradeça, dê valor ao que tem, ao que é, ao que acontece. Agradeça não só as coisas boas, as coisas ruins têm seu espaço na gratidão - o problema faz a gente crescer, muito mais do que quando estamos alegres, infelizmente.

Quando você é grato por algo, está valorizando-o e dando sua devida importância. E coisas importantes não deixamos de lado, não jogamos fora, muito menos desprezamos. E quando damos valor a algo, não o perdemos, nem nos arrependemos. Hoje em dia é tão comum a falta de gratidão - ou mesmo a ingratidão - que quando agradecemos, muitos estranham nosso comportamento. Ignore a opinião alheia e seja grato até pelas desgraças.

Apenas por hoje, seja grato. Apenas por hoje, agradeça pela dádiva da Vida, e tudo que ela traga de bom.

20 de março de 2015

Sobre a Regulamentação do Reiki

O terapeuta reikiano não é oficialmente reconhecido como profissional na área da saúde, apesar de possuir código CNAE para ser discriminado em nota fiscal (8690-9/01). Pesquisei na internet sobre algum documento que comprove qualquer reconhecimento legal da técnica, e por mais que muitos terapeutas, mestres ou não, o afirmem, o Reiki não é uma terapia reconhecida em lugar nenhum. Sério. Não existe um documento legal que fale reconhecemos o Reiki como técnica para x, y e z... O que existe é o apoio da OMS e do Governo Federal para atividades que busquem o bem estar do ser humano como um todo - meio que simbólico, já que não há uma medida efetiva para tal.


Food Law, por Geoffrey Whiteway

Digo isso para não se iludirem, e terem embasamento legal na hora de trabalhar. Como não há uma regulamentação, qualquer um pode se dizer terapeuta reikiano e trabalhar como tal, assim como um terapeuta profissional ser acusado de charlatanismo. Infelizmente, como intuição não é usado como parâmetro, as pessoas tentam tirar vantagem sobre. Regulamentar ajudaria a por ordem no barraco, mas cercearia terapeutas nas suas diversas técnicas - e há vários tipos de Reiki.

Existe o CRT, que é a carteirinha do terapeuta holístico, mas ela exige carga horária entre outras exigências. E quem disse que fazer um curso de 120 horas faz um terapeuta melhor que o que fez o de 8? Reiki é prática e experiência diária, o paciente tem que se sentir bem após o tratamento. Você só sabe que foi iniciado corretamente na hora de aplicar - e isso não vem do diploma, vem da competência, algo complicado nesta sociedade tão cheia de regras e papéis e quase vazia de honestidade.

Outro risco é a terapia Reiki tornar-se uma especialidade médica, como a acupuntura e a homeopatia. Vendo a popularidade crescente das duas técnicas, esvaziando consultórios e farmácias (para que se entupir de remédios se algumas agulhas bem posicionadas, ou mesmo uma substância tão simples, me fazem melhor?), a providência foi impedir não-médicos de exercerem suas atividades. Nunca testei homeopatia, mas eu posso garantir que a acupuntura praticada pelos médicos é de qualidade sumamente inferior a dos acupunturistas formados na China ou em centros especializados de outrora.

Não estou nem entrando no mérito de funcionar ou não. É fácil falar "a ciência não comprova" quando diversos trabalhos científicos são recusados de publicação em revistas oficiais por ferirem o ego (e a conta bancária) de muita gente (os trabalhos só são reconhecidos quando publicados por uma revista científica oficial). A eficácia da acupuntura é conhecida há milênios e só agora recebeu o status de terapia complementar pela OMS - complementar no sentido de que a alopatia é superior a todas.

Com tudo isso quero dizer: abra não só os olhos do corpo, como também da mente e do coração. Busque alternativas aos seus problemas. A gente sempre recomenda não abandonar o tratamento médico enquanto faz terapias complementares/alternativas, mas e quando o remédio não funciona, ou a cirurgia não resolve? A pessoa é livre para decidir se quer abandonar um tratamento ou não, tendo em vista o melhor para ela. Humildade é essencial para não só assumir nossos erros, mas também nossas limitações.

17 de março de 2015

Gokai - Não se Preocupe

Lembra da catastrófica frase de Marta Suplicy a respeito da crise dos aeroportos? O que mais ofendeu as pessoas foi o uso de um termo de conotação sexual de forma pública do que a postura da então ministra perante um problema de ordem nacional. Esse não é o ponto, e agora que se passaram alguns anos, dá pra ver que existe um fundo de sentido na frase. Relaxe, não se preocupe, não adianta se desesperar.

E não adianta mesmo. Desesperados não conseguimos fazer nada direito, nem pensar, nem tomar alguma atitude, nem evitar uma atitude. Preocupados somos potencialmente catastróficos. O ideal é não fazer nada até retomar o autocontrole. E trabalhar todos os dias para mantê-lo. Não se preocupar é uma das formas, assim como não se zangar. As coisas acontecem como devem acontecer - e se quer que algo aconteça para você, trabalhe para isso.

Se preocupar é gastar energia com algo que não existe. É sofrer por antecipação, é atrair o que se teme. Chega até a ser uma armadilha: aparentemente, preocupar-se com os problemas é uma forma de trabalhá-los com prudência. Só que não é necessário preocupação - só de estar tranquilo e seguro consigo mesmo fica mais fácil de planejar qualquer problema.

Tem horas nas quais a desgraça vai acontecer na sua frente, vai lhe causar danos, e você não poderá fazer absolutamente nada. Por que entrar em pânico ou se zangar? Sempre haverá algo a ser feito - mesmo que não seja nada - e a hora certa para agir - mesmo que demore naquele momento. Não se preocupe, tenha fé que é o melhor que poderia acontecer para o momento, seja grato pela experiência e pelo aprendizado.

13 de março de 2015

Gokai - Não se Zangue


Zen Stones, por George Hodan

Já falei sobre raiva em outro post, que sugiro a leitura. Focando nos Cinco Princípios do Reiki, não se zangue/sou calmo não é algo apenas para melhorar sua qualidade de vida e de crescer como pessoa - é uma postura que o terapeuta tem que ter perante o público em geral. A sociedade de hoje possui determinado decoro que exige determinadas posturas, ou seja, é impensável ver um reikiano com raiva. Por mais humano que seja, demonstrações de raiva são inaceitáveis pelas pessoas de forma geral.

Não fiquemos nos lamentando como a sociedade é ruim por não aceitar que as pessoas sejam humanas, e sim vamos trabalhar para sermos pessoas melhores, sem raiva. Mudemos nossa postura para mudar a sociedade. Não se irrite com o que os outros fazem - eles são humanos, tenha compaixão (sim, a compaixão que a sociedade não tem pela sua raiva - faça a diferença). Você tem (ou pode ter) o Reiki como aliado contra a raiva.

Dia por dia, esforce-se para manter a calma. Parece até conspiratório, quanto mais tentamos ficar calmos, mais situações aparecem para nos irritar. É só mais um dia, com 24 horas, como todos os outros. Não se preocupe se não deu pra segurar, ou melhor, se não deu pra dissipar. O importante é que se mantenha o foco apesar dos revezes.

Não se zangue me lembra as atitudes das pessoas no metrô, antes e depois do expediente. Cansadas e sem paciência, as pessoas agridem-se umas as outras por não saberem dissipar os dissabores que tiveram ao longo do dia. E dissipar consiste unicamente em escolher ter em mente coisas boas (simples, mas difícil). Por mais lotado que esteja o metrô, ainda penso que se as pessoas fossem menos raivosas e guardassem menos rancor, o ambiente seria muito mais suportável.

10 de março de 2015

Gokai - Somente por Hoje

Nesta série, vou me aprofundar em cada parte do Gokai - Os Cinco Princípios do Reiki, que podem ser trabalhados por não-reikianos, como uma forma de crescimento interior. A raiz de todos os princípios é a expressão somente por hoje, que nos coloca no aqui e agora, sem se prender ao Passado ou ao Futuro. Chega a ser um dispositivo libertador, pois as amarras nas quais nos prendemos para justificar algumas falhas simplesmente inexistem.

Somente por hoje, como se não houvesse ontem nem amanhã. Tente, tente hoje, tente agora, já. Mesmo que fique ruim, que saia torto, cheio de falhas. Mesmo que não consigamos atingir nossas metas. Pelo menos hoje, faça algo. Não projete para o Futuro, pois é uma carga muito pesada a se carregar, nem se prenda ao Passado, para não nos tornarmos vítimas de nossas próprias falhas.


Time on Big Ben, por Vera Kratochvil

Todos os dias que vivemos são hojes cheios de possibilidades, acumulativos ao longo do tempo. Não podemos viver nem o ontem nem o amanhã - eles são construídos hoje. Então, hoje, viva sua vida como planeja ou como relembra. Hoje é o dia de se viver. Quando o hoje virar ontem, ele se torna aprendizado, a lembrança boa de viver intensamente. Quando o amanhã se torna hoje, é uma bênção da vida para continuarmos a viver, com a bagagem do ontem, que um dia foi hoje.

Fazer pelo menos hoje é algo tão simples! Você não precisa se preocupar se amanhã conseguirá repetir, ou se ontem você fez perfeito e quer fazer melhor ainda. Apenas faça (ou não faça). Sem se preocupar, sem se irritar, sendo grato pela bênção de viver.

6 de março de 2015

Gokai - Os Cinco Princípios do Reiki


O Reiki, além de uma terapia, é uma filosofia de vida. Não adianta querer cuidar e ajudar pessoas se você não se cuida. Os Cinco Princípios buscam tornar o reikiano uma pessoa melhor a cada dia, mais consciente de si e do que faz. Não pense que o Gokai é algo restrito apenas aos praticantes da técnica - todos podem se beneficiar de sua filosofia e aplicá-la no dia a dia. Cada um fazendo sua parte contribui para um todo melhor.

Estes princípios eram ensinados por Mikao Usui, que sistematizou a técnica Reiki(não vou entrar nas variações dos nomes da técnica e da energia, já que isso causa muita confusão e não cabe neste post), e deveriam ser recitados ao amanhecer e ao anoitecer, juntamente com os poemas escritos pelo Imperador Meiji. São poemas curtos, cheios de vida e sentimento, considerados sagrados em uma época em que o Imperador no Japão era considerado sagrado. Enquanto se medita sobre o Gokai, as mãos devem estar em posição de prece, com os polegares tocando o chakra cardíaco (gassho).

Atualmente os poemas são objeto de meditação entre os reikianos, sendo apenas o Gokai recitado ao amanhecer e ao anoitecer, com as mãos na posição anteriormente descrita. Tenho duas versões musicais do Gokai, se quiserem, podem entrar em contato me solicitando. Além de ajudar a meditar, são gostosas de se ouvir (e a música fica grudada na cabeça o dia inteiro).

Basicamente, e com algumas diferenças nas traduções (a tradução da Associação Portuguesa de Reiki trabalha com afirmações, de modo a facilitar a absorção do Gokai), os Cincos Princípios são:

Somente por hoje:
não se zangue/sou calmo,
não se preocupe/eu confio,
seja grato/sou grato,
respeite pais e mestres (os mais velhos em outras traduções)/sou bondoso,
trabalhe honestamente/trabalho honestamente.


Só de ser apenas por hoje fica bem mais fácil. Você dá seu melhor aqui e agora, sem se preocupar com o amanhã. O compromisso é diário, desvinculado dos outros dias. Esqueça se você conseguiu ontem, ou se conseguirá amanhã - esforce-se para fazer hoje. E isso deve ser aplicado em todas as áreas da vida - principalmente com o que gostamos, ou com o que precisamos ser determinados, para não perder o foco. Cada dia um pouquinho, e o caminho será trilhado.

3 de março de 2015

A Importância da Iniciação


Three Rivers Trail 44, por DanyJack Mercier

Muitas pessoas são autodidatas em diversas áreas, aprendendo fuçando, lendo ou conversando. Porém no caso do Reiki não adianta só ler e conversar, o interessado deverá passar pelo processo de Iniciação para poder trabalhar com a energia específica do Reiki. Apesar de ela ser uma energia vinda do Universo e de todos terem direito a recebê-la, para poder transmiti-la é necessário passar por esse processo, pois ele irá preparar o corpo para receber e transmitir (lembre que não produzimos nenhuma energia ou mesmo usamos da nossa energia pessoal).

Existem três ou quatro níveis de estudos no Reiki (uma observação: há nomes específicos para a técnica e para a energia, que ficaram conhecidos aqui comumente como Reiki) - isso varia de mestre para mestre, já que alguns acabam dividindo o nível III em a e b (Mestrado). O último nível acaba sendo dividido pela grande carga de informações e energias a serem transmitidas ao aprendiz, e pela escolha de alguns de não quererem iniciar outras pessoas e usufruir das energias do nível de mestre. O IIIa seria o Mestre de Si e o IIIb seria o Mestre habilitado a iniciar outras pessoas.

O título Mestre não possui nenhuma conotação acadêmica ou implicações especiais: o mestre é uma pessoa como todas as outras, que estudou e se esforçou bastante para chegar onde chegou - e onde todos podem chegar.

O processo de iniciação é extremamente simples e demora minutos. Nos casos que presenciei, sempre são precedidos pelo curso sobre o nível pretendido. Um curso geralmente não demora mais que um dia - começa de manhã e termina ao final da tarde com a iniciação. A técnica é muito simples, mais prática do que teórica, por isso não demanda muito tempo de estudo. Claro que você irá descobrir um mar de informações por aí e que elas irão te ajudar (e muito!) ao longo do seu caminho, mas a base não muda.

Até onde chegar?
Geralmente quando você se inicia no nível I e tem o contato inicial com a técnica você sente até onde quer chegar. Mas também esse sentimento surge ao longo da vida - aquela vontade de pisar por terrenos desconhecidos e aprender novas habilidades. Essa é a sensação que a Iniciação dá. No meu caso, eu segui até o Mestrado porque eu queria ir até o fim (dos níveis disponíveis), e a sensação da última iniciação era de paz e de ciclo concluído.

Você não é obrigado a ir até o Mestrado, muito menos ser iniciado nos diversos níveis com o mesmo mestre - mas preste atenção se os dois seguem a mesma vertente de técnica e se o mestre escolhido aceita iniciar pessoas que já foram iniciadas por outrem. Buscar outro mestre pode ter vários motivos e a escolha é totalmente sua. Inclusive se você foi iniciado mas não se sente pronto.

Como saber se eu fui iniciado?
Você sabe que foi iniciado quando você se sente pronto para aplicar, em si e nas outras pessoas. Quando você é iniciado no II ou IIIa você se sente à vontade em usar os símbolos correspondentes. A inclinação pelo mestrado vem quando as pessoas dizem que querem ser iniciadas por você (mesmo que nunca sejam) e você se sente mestre quando começa a dar seus cursos e editar suas apostilas.

Mesmo quando você não sente nada - o que é bem difícil, mas acontece -, não significa que você não foi devidamente sintonizado. O que realmente indica que você não foi iniciado é o medo na hora de praticar: aquela sensação de "não sei fazer" ou "não funciona". Isso é comum nas iniciações à distância - geralmente não existe ligação entre mestre e aprendiz, o que causa essas falhas. Se sentir que não foi devidamente iniciado, peça ao mestre para que o inicie novamente ou mesmo procure outro. Não se sinta "enganado" - às vezes não vai e ponto.