31 de julho de 2014

A Vida não é Receita de Bolo


Pink Cake, por Karen Arnold

Passei uma boa parte da minha vida procurando a receita de viver. Parece muito para uma pessoa que mal completou 23 anos, mas isso é uma tendência para todas as idades (aliás, não existe idade para nada. Não adianta esperar/desistir de coisas só por causa do fator idade. Se doenças e outras coisas negativas não têm idade, por que as coisas boas teriam?).

Houve uma febre de livros de auto-ajuda há um tempo atrás. Hoje não é bem assim, mas há aqueles best sellers lembrados para determinadas situações, como determinados autores, que acabam sendo vistos como pessoas perfeitas de vidas prósperas. E não é bem assim.

Geralmente nesses livros há muitas receitas de sucesso para diversas situações. Aparentam ser infalíveis, simples, e, pior, de curto prazo. E na prática, suas falhas são reveladas, quase sempre de maneira dolorosa. E por incrível que pareça, a falha é associada à pessoa, não ao livro. Este deveria ser um relato, que possa oferecer orientação e inspiração, não algo a ser seguido à risca.

A pergunta que fica é como viver? Essa pergunta é extremamente ampla, cabem muitas ideias, sonhos, perspectivas. Viver consiste em aproveitar o tempo fazendo o que gosta, navegando em direção a um futuro sempre presente. Não se deixar abater é fundamental, mas o luto também deve ser trabalhado.

Essa pergunta não deve ser respondida, e sim vivida dentro de cada pessoa.

24 de julho de 2014

Aprenda a Ouvir (e a Dizer) Não

Mesmo que a vida não seja uma receita de bolo, algumas coisas acabam sendo aprendidas ao longo da vida, outras não. Uma coisa que percebo é a dificuldade das pessoas com a palavra não. Algumas pessoas dizem (que estudos disseram) que as pessoas em geral não "entendem" a palavra 'não'. Simples: é como se ela não existisse e a mente não processasse, transformando a negação em afirmativa. Será?

Não irei entrar neste mérito, até porque o 'não' existe e está aí para ser usado. O problema é que as pessoas têm tanto medo desta palavra que algumas precisam de tratamento só por causa disso. E o problema é mais sério do que se pensa. Como se a palavra 'não' criasse barreiras entre as pessoas, e estas barreiras as afastassem (e como se isso também fosse de certa forma negativo).

Tem horas que dizer 'não' é necessário. Cria limites, impõe respeito, resolve definitivamente problemas de grande gravidade. Enfim, permite que a mudança ocorra, já que permite uma mudança de paradigma, de visão. Dizer 'sim' quando se quer dizer 'não' só mutila sua autonomia como ser humano.

E não fique pensando que você é uma má pessoa só porque disse 'não' a uma determinada situação. Muito pelo contrário: você se torna uma pessoa cheia de si e responsável pela própria vida. E isso é muito bom, posso garantir.