30 janeiro 2015

Efeito Matrix


Para sair do sistema é necessário saber que ele existe. Como muitos ainda pensam que isso é bobagem, nem acabo insistindo neste assunto. A questão é que mesmo não admitindo a existência do sistema, seus efeitos são muito reais nas pessoas. Principalmente quando uma delas decide sair ou bugá-lo. É incrível como as pessoas perseguem outras sem motivo aparente, e como outras se veem claramente perseguidas sem motivo algum.

É o que eu chamo de Efeito Matrix: como no filme, quem sai do sistema é perseguido pelo mesmo de forma bastante peculiar. As pessoas a sua volta simplesmente se revoltam contra você e te atacam do nada. Como se houvesse algo errado com você. Realmente há: você não está mais suscetível às maquinações do sistema, então quem ainda pertence a ele vai te atacar de forma a coagir você a voltar. Como se tentassem "nivelar por baixo" a situação.

Entenda, a culpa não é delas. As pessoas são facilmente manipuláveis. O que eu escrevo aqui é justamente uma tentativa de cortar este elo para por fim a esta manipulação. Talvez eu nunca tenha escrito sobre o assunto de forma tão direta, mas uns sacolejos de realidade fazem bem. Cuidado com os "do-contra" da vida: estes também são manipulados. Um "do-contra" de verdade, daqueles que realmente não se encaixam no sistema são extremamente raros - e não ficam se exibindo por aí.

Não se combate o sistema de frente: não é quebrando bancos, não é jogando pedra na Polícia (aliás, isso é parte da manutenção do sistema, que se alimenta do ódio das pessoas, como um banquete). É quando uma pessoa estende a mão pra outra, mesmo quando muitos dizem que não é certo. É quando você decide crescer e se tornar uma pessoa melhor, mesmo quando todo mundo te reprova. É quando você tem sua opinião baseada no que você viveu, não no que os outros viveram.

Isso é consequência de sair do sistema: as pessoas vão se afastar de você, vão te criticar do nada. Aliás, as máquinas irão pifar magicamente na sua mão e parece que tudo conspira contra você. Acorde mais cedo, porque nesta fase você vai começar a chegar atrasado nos lugares. Mas não se preocupe, isso significa que você está no caminho certo. Você está incomodando. O sistema quer dar a entender que você está destoando do resto, e realmente está: você está entrando no ritmo do Universo.

27 janeiro 2015

Preste atenção

Nossa vida está cada vez mais e mais automática, nós pulamos capítulos como se fosse aquele filme "Click": o protagonista foi pulando cenas da vida dele para viver o que ele "realmente" queria e acabou tendo um péssimo final. É basicamente isso que acontece com a nossa vida: queremos apenas viver momentos específicos, mas para tanto é necessário que outros venham, e para todos é necessário muita atenção.

Muita atenção porque os detalhes passam sem a gente perceber, e como no filme, fazem toda a diferença lá na frente. Viva os detalhes da sua vida, por piores que sejam. Eles estão lá, fazem parte da sua vida. Viva o detalhe do sinal fechado, viva o detalhe da página da internet sendo carregada. Esteja presente nestes momentos. Porque estar presente e viver aquele momento é o que faz a vida valer a pena.


Green Grass, por George Hodan

Se você não sabe viver intensamente o download de uma imagem na internet, como você espera aproveitar completamente aquele bate-papo com os amigos? Aprender a aproveitar cada momento é uma forma de aprender a aproveitar a vida como um todo. Sei que a vida não é só flores, mas aproveite as tempestades também. Nessas horas que vemos quem realmente somos e o que podemos nos tornar. Quando não prestamos atenção ou deixamos passar determinados momentos, existe o real risco de deixarmos ocorrer coisas desagradáveis, como um bolo queimado.

Todos os momentos da vida são bons porque todos eles carregam lições para os próximos passos. Viver cada um como único é ter uma vida boa, cheia de energia. Escolher o que se quer viver (isso é diferente de escolher o caminho a ser seguido!) de sua trajetória, além de correr o risco e permitir que coisas desagradáveis ocorram, tiram a vontade de viver o resto. É como ler apenas alguns capítulos aleatórios de um romance e dizer que não gostou da obra.

20 janeiro 2015

Cuidado com as tentações!

Grande parte das pessoas pensa nas tentações dentro do dogma cristão do Pecado. Alguma entidade, como o Diabo ou seus seguidores, induziria as pessoas a cometerem erros e falhas simplesmente para deixá-las com a consciência suja e assim não poderem ter direito à graça divina. Basicamente, a tentação seria uma forma de tirar a pessoa do fluxo natural das coisas, atrapalhando seu processo evolutivo e até fazendo com que ela deixe de evoluir. Pensar por essa forma nos livra de preconceitos religiosos sobre o Universo, porque ele é basicamente assim, independente da religião.

Quanto mais concentrados e focados estamos, mais tentações aparecem. Cabe a nós escolhermos seguir em frente ou ficar pelo caminho. Entretanto, algumas tentações na verdade são oportunidades que nos serão úteis no futuro. Sentir e refletir podem lhe auxiliar nesta tarefa. Manter o foco pode ser de grande ajuda quando não se sabe o que decidir. Se for algo bom, aparecerá novamente, em outra hora. Tenha fé.

O grande problema são as tentações sutis. O Diabo não vai aparecer na sua frente de chifrinhos, patas de bode e tridente dizendo "Eu vou te levar". Nada disso. É aquele ator famoso, aquela mulher bonita, aquele empresário ou pessoa pública. O que é ruim nunca aparenta ser ruim. E nem sempre o que aparenta ser ruim é ruim. As aparências enganam, lembra? Fora os comentários que ouvimos das pessoas, lemos na internet, assistimos nos telejornais. Parecem pedrinhas, algumas até doem, fazem a gente pensar em desistir, mudar de caminho. Surgem os questionamentos: é correto, é justo, é barato?

As maiores tentações estão nas pequenas coisas, na burocracia, no obstáculo. Elas te questionam a parar, não a continuar, não a melhorar, mas a desistir. Nem sempre os atalhos são os melhores caminhos, principalmente aqueles que prometem tanto e nada garantem. Na verdade são armadilhas. Os melhores caminhos geralmente são lamacentos e difíceis, mas carregados de aprendizado e experiência. O objetivo pode ser cumprido ou não, mas o caminho para se chegar nele sempre valerá a pena.


Crossing Tracks In The Sand, por Ken Kistler

16 janeiro 2015

O Universo não está a nosso favor


Sky Lanterns, por Petr Kratochvil

A ideia é um pouquinho mais complexa do que nos é dita por aí. Primeiramente, não significa que o Universo esteja contra nós - ele apenas tem seu ritmo, seu fluxo. Sua evolução depende da evolução de tudo que está contido nele, inclusive nós. Só que nem sempre (quase nunca!) evoluímos em seu ritmo. As pessoas pensam que evoluir é seguir o caminho delas que o que está em volta irá junto. E é praticamente o contrário. Vai ficar meio confuso o que vou explicar, mas no final verão que é bem simples.

Para evoluirmos, temos que seguir o ritmo do Universo - o ritmo da Natureza, em uma perspectiva mais próxima. Seguir este ritmo é não querer apressar ou atrasar as coisas, simplesmente deixá-las acontecer. Por mais que pensemos que algo vai demorar para acontecer ou que estamos em cima do prazo para entregar algo, tudo irá acontecer conforme o Universo acredita que será o tempo melhor para acontecer. Não confundam Deus com o Universo, apesar daquele ter criado este e este fazer parte daquele, sacou?

O Universo tem seu tempo para amadurecer as coisas. E aprender a seguir este tempo é uma arte a ser aplicada minuto a minuto. Simplesmente vá, deixe-se ir neste fluxo. Esteja atento ao que pode surgir a cada instante. Seja grato aos momentos que tem - por piores que sejam. Chegar atrasado, ser demitido, ter problemas são oportunidades para o crescimento e a evolução. É o Universo ensinando você a seguir o ritmo dele.

E quando estamos no ritmo do Universo, as coisas surgem do nada. Aprendemos a lidar com as "surpresas" dele. E, por incrível que pareça, conseguimos qualquer coisa que queremos. Opa! Mas se não estamos seguindo nosso ritmo, como conseguimos o que queremos? Resposta simples: você está sim seguindo seu ritmo, pois você faz parte da natureza, logo, do Universo como um todo. Então o que você quer já está em sintonia, não é ponto fora da rota, você vai chegar lá na hora certa. E vai ser muito gostoso, como o caminho que você trilhará a partir de então.

No começo é meio doloroso, vem aquela sensação de perder o controle sobre as coisas. Essa é a ideia. Você não tem que controlar nada, e sim deixar que o Universo te direcione. "Mas se eu for manipulado por outras coisas pensando ser o Universo?" Não, não vai. Você sente quando algo está fora de ritmo, e nada vai te fazer sair dele a menos que você o queira. E haverá tentações, viu?

E tentações são mais sutis do que você pensa! Esse é um assunto para outro post, mas vou resumir: uma tentação para sair deste caminho pode ser uma notícia no jornal, uma frase solta de uma novela, o conselho de um "amigo". É algo que fica lá dentro, criando raízes, tentado fazer você mudar seu rumo. Aí é escolha sua: você vai mudar o que te faz bem só porque tem gente que não concorda (ou mesmo não consegue)?

13 janeiro 2015

Intuição x Preconceito

Intuição é quando você antecipa algo antes de acontecer ou vir à tona. Quando você se depara com alguma coisa ou alguém, logo vêm à mente diversas informações, pensamentos, imagens, que podem antecipar coisas desagradáveis que estão por vir. Muitos veem isso como preconceito, que define pessoas e situações a partir de informações pré-estabelecidas na mente. Parece que são a mesma coisa, mas não são. Gera muita confusão, mas quando a mente é apurada e a pessoa evoluída, sabe distinguir bem um do outro.

Muitos confundem intuição com preconceito porque os dois basicamente buscam antecipar conclusões antes que algo realmente aconteça. A intuição trabalha com padrões energéticos, tanto do sujeito quanto do objeto (pessoas, situações-alvo), e esses padrões energéticos se manifestam não só como pensamentos, mas também como sensações. Aquele calafrio, aquele peso no estômago, são indícios intuitivos de que algo não é bom, mesmo quando a mente "racional" diz que o é, por se basear em conceitos sociais, e ideias que são pré-estabelecidas na mente (ou seja, preconceito).


Snowy Owl Eyes, por Petr Kratochvil

Olha que engraçado: muitas vezes preconceito e intuição entram em conflito. Enquanto a intuição alerta que é perigo, a mente considera algo bom, porque possui características "aceitáveis" da sociedade; e vice-versa (a intuição dizendo que é bom, e nossa mente relutando em ir). Quando corpo, mente e espírito estão harmonizados (não significa desenvolvidos, mas funcionando um sem contradizer o outro), os preconceitos dão lugar à intuição, que atua soberanamente no organismo - com a mente agindo conscientemente através. Dá um baita trabalho, mas o caminho é relativamente simples: ignorar o preconceito, prestar atenção na intuição.

"Ah, mas às vezes a intuição erra!" Faz parte. Intuição é como músculo: pra se desenvolver, precisa treinar, dar atenção (quando você treina, você está dando atenção!). Por mais sem noção que seja a intuição, siga-a. Errou? Ok, errou. Acertou? Boa, bora pra próxima. Conforme a intuição vai se desenvolvendo, as informações recebidas serão muito mais precisas (tipo o filme Matrix, em que os personagens aprendem tudo num piscar de olhos, ou melhor, num download). Só devemos ficar alertas para não estarmos dando atenção para o preconceito ao invés da intuição.

Uma coisa normal no meio do caminho é dizerem que estamos sendo preconceituosos - principalmente quando nossa intuição está em alta. É uma armadilha! A intuição não tem por fim desmerecer ninguém através de conceitos arraigados da sociedade. Ela apenas te dá um panorama geral sem que você precise se machucar ou entrar em conflito. O preconceito acaba te prejudicando e te pondo em conflito em nome de valores que nem sempre correspondem a você. É uma questão basicamente de atenção e tranquilidade (a intuição não funciona direito quando estamos nervosos - a mente está agitada e atrapalha o processo).